sobre a vida

A vida é uma coisa complicada.

É muito mais sobre partidas do que grandes histórias. E a gente vai levando, fingindo não sentir no coração o buraco de quem já foi um amor. De quem já foi um pai, um filho. De quem hoje é um nome em uma pedra lapidada.

Agora, perceba a paradoxalidade: vive-se de saudade e por saudade que se cria, e nem por isso a vida é bem vista. Não é justo a terra cobrir memórias de alguém que já representou todo um mundo; de alguém que revolucionou sistemas, escreveu poemas, ou lhe cobriu com cobertor antes de dormir. Também não se pode entender como é possível continuar a viver com tamanha dor nos corações: dor por mim, por você, e por todos que aqui ainda fingem estar vivendo. E essa mesma existência, hoje, mecanizada por sistemas tão bem implementados acima do espírito humano primitivo, é marginalizada como fraqueza. Você tem 3 dias de lutos, veja só, precisa de mais? Por favor, não se manifesta. Não ouse deixar que outros percebam que você não é feito de parafusos cromados. Não mexa com o sistema.

Se os humanos vivessem de saudade, talvez essa, então, seria a existência mais bonita que existe. Há mais humanidade na derrota do que na bravura de continuar vivendo.

Anúncios

Gonna rise up, throw down my haste in the road.

Renato está fazendo grandes melodias pelos acordes de um violão bem afinado e sua voz doce e forte chega até mim pelo disco que toca na vitrola. Bem, talvez a vida seja isso: dias calmos com boas canções. Talvez não seja necessário realmente crescer e ser maior que sua cidade de origem, ou melhor que seus pais. Aliás, ninguém nunca testou, mais a chave da razão pode estar em perceber que você nunca será melhor que seus pais. Digo, eles são seus pais! É tão bom acreditar que nada pode ser mais incrível que eles… Acreditar que tardes caminhando rumo ao sol sejam sim tardes de grandes meditações e explicações internas, mas ter o poder de chegar em casa e guardar essas resoluções gigantescas em uma caixinha, e poder brincar com o cachorro sem mais o peso que só essas malditas verdades conseguem ter sobre seus ombros.

Não que não seja bonito almejar um grande futuro, mas de tanto almejar talvez tropecemos na vida, esquecendo ela por aí, sem acreditar na sua simplicidade. Talvez a liberdade estivesse ali o tempo todo, apenas superestimada.