Attraversiamo

Existe uma época em que você não vai mais conseguir descrever quem é, e no meio dos clichês e dos amigos pré-moldados, você se pergunta alucinadamente onde está a pessoa que você conhecia.

Não há mais amores. Não há mais cadernos preenchidos avidamente. Não há mais talento.

Quando esse dia chega, acompanhado de agosto, você começa a olhar quem você foi: louco beatnik, apaixonado por sotaques e covinhas e inocentemente crente em toda forma humana de vida. Um aventureiro, um profeta, um poeta. Você nunca foi nada disso. Você não é nada disso. Talvez seja preciso olhar para trás, em uma época limpa de influências, para descobrir quem você se tornou – por baixo das regras do mercado.

Será que agora você faz parte do sistema ou o sistema é você?

A verdade, é que somos o que acreditamos. E eu acredito no Tom. Eu acredito em Caio e também em Bukowski. Eu acredito em Harry e eu acredito no Supertramp. Eu acredito em Moriarty, sobretudo, eu acredito em Moriarty.

Do lado B de londres ao Velho Moriarty que uma vez Sal se permitiu escrever; não importa qual seja a mudança que aconteça, desde que ela exista. Um brinde ao comodismo acomodado dos que se acomodaram e a lei máxima que impera: do not sink.

2009.

Eu não quero ser moldado

Entrar em uma estatística qualquer

Ninguém vai saber meu próximo passo

Nem contar as batidas que meu coração der

Eu me guio pelas luzes

Eu sigo pelo som

Meus mestres não são mais deuses

E os deuses hoje já são diferentes

Das mentes que criaram o caos

A pergunta moveu a rotina

Como o vento varrendo papel

Qual o remédio que cura o pecado?

Qual a luxúria que não se chama passado?

Um novo visitante em Smallville.

Uma verdade: às vezes, sem perceber, são impostas pessoas na nossa vida que nos ajudam a superar certas situações. Existem os velhos e bons amigos, sempre, mas há aquela pessoa… Que chega do nada, cheia de sorrisos e piadas bobas. Com músicas e livros novos. Tão bom isso, não é não? E não to falando de amor não, to falando de pessoas novas no teu dia. Imagina todas as experiências e sensações que ela pode te trazer? Sabe, sempre questionei muito meu envolvimento com a raça humana; nunca botei muita fé, e nunca esqueci seus erros. Mas – tirando passar a tarde com minha cachorra – é difícil achar algo mais agradável que uma mesa de bar com os amigos.

Os novos, os velhos e os que, provavelmente você conhecerá lá.